Como os métodos de imagem podem ajudar?

Como os métodos de imagem podem ajudar?

Para que a gestação ocorra, muitos órgãos do corpo humano são envolvidos. Os métodos de imagem, Raio-x, Ressonância Magnética e Ultrassonografia (US), com frequência são empregados para ajudar no processo de investigação de potenciais causas de infertilidade, bem como no acompanhamento da concepção. Para cada órgão, patologia e paciente existe um método de imagem que melhor se adequa.

Avaliação dos ovários

Uma das principais aplicações da US é a identificação de que os ovários têm aspecto normal. Também pode ser muito útil na assist6encia de ciclos induzidos no processo de reprodução assistida. O acompanhamento do crescimento folicular permite otimizar o uso de medicações necessárias para a estimulação ovariana, além de determinar o melhor momento e orientar punção para coleta de oócitos. Desta forma, podemos identificar quantos folículos são recrutados e rastrear seu crescimento até que estejam no momento ideal para serem coletados.

Ovário com aspecto normal, com folículo dominante

Avaliação de patologias

Os ovários podem estar envolvidos em uma série de situações relacionadas à dificuldade em gestar, como ovários policísticos, endometriose, tumores do ovário, ovários não-funcionantes, falência prematura ou ausência dos ovários. A US, preferencialmente realizada por via transvaginal, costuma ser o método de imagem inicialmente empregado para avaliar a anatomia dos ovários.

Síndrome dos ovários policísticos (SOP)

A SOP acomete cerca de 8% de todas as mulheres e pode ser considerada uma das causas mais frequentes de infertilidade. Mulheres com essa síndrome têm aumento nas taxas de androgênio no sangue, o que pode levar à modificação no aspecto do ovário. Nem todas as mulheres com SOP demonstram alteração na US do ovário, assim como nem toda alteração com essas características na Ultrassonografia pode ser atribuída à SOP: é necessária correlação com manifestações clínicas ou alterações de níveis hormonais para que o diagnóstico de SOP seja estabelecido. As manifestações clínicas mais frequentes de SOP incluem intervalo entre os ciclos menstruais irregulares e longos, obesidade e hirsutismo (aumento de pêlos).

As alterações dos ovários na US de pacientes com SOP são bastante frequentes, estando presentes em mais de 80% dos casos, e incluem aumento de volume ovariano e presença de várias, mais de doze, pequenas áreas císticas (daí o nome policístico) na periferia dos ovários. Atenção: cuidado ao querer interpretar a US. Esse aspecto policístico dos ovários pode ser encontrado em 20% a 30% da população normal, em particular em mulheres jovens.

Em resumo, SOP é uma alteração funcional: as alterações dos ovários na US são frequentes, mas não são absolutamente necessárias para o diagnóstico. Por outro lado, a presença do aspecto policístico dos ovários na US não é suficiente para estabelecer o diagnóstico, na ausência de sinais clínicos. O tratamento para quem está tentando gestar usualmente envolve medicamentos para induzir a ovulação.

Ovário com aspecto policístico
Ovário com aspecto policístico

Falência Ovariana Prematura ou Menopausa Precoce

A falência ovariana prematura (FOP) acomete aproximadamente uma em cada 1.000 mulheres antes dos 30 anos, uma em 250 por volta dos 35 anos e uma em cada 100 mulheres aos 40 anos. A principal manifestação clínica é a ausência de menstruação.

A inexistência de ciclos menstruais e, por consequência, de ovulação pode não ser definitiva, uma vez que a concepção espontânea pode ocorrer em até 5% a 10% das pacientes com FOP. Na maioria dos casos, a FOP ocorre de forma esporádica, com apenas 5% das mulheres referindo o mesmo achado em suas famílias.

As causas conhecidas para a FOP incluem alterações nos cromossomos, em genes ligados ao cromossomo X e cromossomos autossômicos, doenças autoimunes, alterações tóxicas e cirurgias ovarianas. Frequentemente, a causa etiológica não é encontrada e a falência ovariana prematura é chamada de idiopática. O diagnóstico é feito através da história clínica e de níveis elevados do hormônio folículo estimulante (FSH).

A US, preferencialmente por via transvaginal, pode auxiliar na avaliação da presença e dimensões dos ovários, bem como determinar o número e volume dos folículos ovarianos. Tradicionalmente, quando presentes, os ovários têm volume menor do que o esperado para a idade da paciente e contêm muito poucos ou nenhum folículo. Atenção para situações que podem apresentar essas mesmas características, como mulheres que usam pílulas contraceptivas hormonais. Por outro lado, entre 25% e 40% de pacientes com FOP podem ter folículos ovarianos identificados pela Ultrassonografia.

Ovário com falência prematura
Ovário com falência prematura

Endometriose Ovariana

A endometriose tem prevalência muito alta, atingindo cerca de 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva e até 50% das que apresentam infertilidade. A US tem ótimo desempenho na detecção da endometriose ovariana, identificando cerca de 97% dos casos, com acurácia de 95% tanto para confirmar quanto para descartar o diagnóstico, em particular nas lesões maiores do que 2 cm.

A endometriose profunda do ovário se manifesta por um cisto denominado endometrioma. De maneira simplificada, o aspecto habitual do endometrioma na US inclui cisto com conteúdo espesso, com aspecto de vidro fosco, e pontos bem claros (hiperecogênicos) na periferia e paredes desse cisto. Outras patologias podem ter características similares na US, como os cistos funcionais hemorrágicos, os abscessos e alguns tumores. Em casos de dúvida, a ressonância magnética costuma ser o exame indicado para prosseguir a investigação.

Com muita frequência, os casos de endometriose têm apresentação multifocal. Ou seja, ocorrem em várias partes do corpo simultaneamente, em particular nos ligamentos do útero, em partes do intestino, na bexiga, nas tubas e no revestimento interno do abdômen, uma membrana chamada peritônio. Assim, quando um endometrioma de ovário é diagnosticado, é necessário fazer um estudo pormenorizado de todos os outros possíveis locais de implantação da endometriose. A ultrassonografia realizada com alguns cuidados especiais e por profissionais bem treinados, bem como a ressonância magnética, podem diagnosticar boa parte desses outros focos de endometriose profunda, porém é um exame demorado e meticuloso.

Endometrioma
Endometrioma

Mais conteúdo...