Patrocinadores

É uma iniciativa promovida pela rede de apoio Nós Tentantes, com o patrocínio da Merck Brasil, com o propósito de ajudar famílias tentantes a sanar suas dúvidas sobre infertilidade, de maneira acessível e com informações de qualidade. Por meio da colaboração de clínicas de fertilização in vitro e especialistas afiliados à nossa plataforma, ofereceremos um conteúdo informativo MENSAL abrangente sobre temas relevantes no campo da reprodução assistida. Nossa abordagem prioriza a interatividade, a individualização e o direcionamento, visando a facilitar o processo para todos os tipos de configurações familiares.

Cronograma

Infertilidade: A Jornada do Paciente de Reprodução Humana Assistida
episódio #01 - Junho24
Dr Matheus Roque

Introdução

A infertilidade é uma realidade que atinge muitos casais ao redor do mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 17,5% da população adulta (1 em cada 6 casais em idade reprodutiva) sofre de infertilidade em todo o mundo. A dificuldade em conceber pode trazer uma série de desafios emocionais, físicos e financeiros. No entanto, com os avanços na medicina, existem diversas opções de tratamento que podem ajudar a transformar o sonho da paternidade e maternidade em realidade. Este artigo visa esclarecer os principais aspectos da infertilidade e os tratamentos de reprodução assistida disponíveis.

 

Definição de Infertilidade

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a infertilidade é definida como a incapacidade de um casal conseguir uma gravidez clínica após 12 meses ou mais de tentativas regulares e desprotegidas. Essa definição é importante, pois estabelece um parâmetro temporal para o diagnóstico e encaminhamento para tratamento especializado. Assim, o objetivo dos exames a serem realizados tanto na mulher quanto no homem não é trazer o diagnóstico de infertilidade para aquele casal, mas sim definir se existe uma causa para a infertilidade deste casal. Além disso, é crucial entender que a infertilidade pode ser primária (quando o casal nunca conseguiu conceber) ou secundária (quando o casal já teve uma gravidez anterior, mas enfrenta dificuldades para conceber novamente).

 

Diagnóstico da Infertilidade

Investigação da Saúde Reprodutiva

O primeiro passo para tratar a infertilidade é um diagnóstico completo da saúde reprodutiva de ambos os parceiros. Este processo pode incluir uma série de exames e testes para identificar possíveis causas de infertilidade. Atualmente é fundamental sempre considerarmos a idade da mulher para a orientação sobre chances de gravidez natural e através dos tratamentos de Reprodução Assistida. A idade da mulher está relacionada à qualidade genética dos óvulos e consequentemente dos embriões que são formados, fazendo com que principalmente após os 35 anos a qualidade destes óvulos e embriões caiam progressivamente diminuindo-se as chances de gravidez e aumentando-se os riscos de abortos e doenças genéticas.

 

  • Exames para Mulheres

 

  • Ultrassom Transvaginal: Utilizado para avaliar o útero, ovários e folículos, identificando possíveis anomalias como miomas ou cistos. Este exame é fundamental para monitorar a resposta ovariana durante o tratamento de reprodução assistida.
  • Histerossalpingografia (HSG): Um exame de raio-X que avalia a permeabilidade das trompas de Falópio e a forma da cavidade uterina. A HSG pode detectar bloqueios que impedem a passagem dos espermatozoides até o óvulo, bem como anormalidades na forma do útero que poderiam impactar nas chances de gestação. Exame de fundamental importância para a definição de possibilidade de manutenção de tentativas de gestação natural ou da realização de tratamentos de baixa complexidade.
  • Exames Hormonais: Incluem dosagens de Hormônio anti-mulleriano (AMH), FSH, LH, estradiol, progesterona, prolactina e hormônios da tireoide para avaliar a função ovariana e detectar possíveis distúrbios hormonais. Estes exames ajudam a identificar possíveis disfunções hormonais que podem afetar a fertilidade.
  • Avaliação de Reserva Ovariana: Medição de hormônios como AMH para avaliar a quantidade de óvulos restantes (reserva ovariana). Este teste é realizado através de exame de sangue que pode ser realizado em qualquer período do ciclo menstrual. Outra maneira de se avaliar a reserva ovariana é através da contagem de folículos antrais (CFA). Para esta avaliação, realiza-se uma ultrassonografia transvaginal entre o 2º e 5º dia do ciclo menstrual para a contagem de folículos antrais. Os folículos são como pequenos sacos cheios de líquido onde os óvulos podem amadurecer. Os folículos antrais são um estágio específico de desenvolvimento dos folículos, em que são pouco maiores, medindo entre 3mm e 10mm. Os testes de reserva ovariana são cruciais para determinar a abordagem mais adequada nos tratamentos de reprodução e controlar expectativas de pacientes através das estimativas das chances de sucesso em cada tratamento. Vale destacar que a reserva ovariana não é uma causa de infertilidade, ou seja, pacientes com uma mesma idade porém diferentes reservas ovarianas não apresentarão maiores ou menores chances de gravidez natural. Mas a reserva ovariana, assim como a idade da mulher, está diretamente relacionada às chances de sucesso dos tratamentos de Fertilização in vitro (FIV).
  • Ressonância Magnética da Região Pélvica: Exame de imagem que pode ser realizado em algumas situações na avaliação de uma paciente com infertilidade. Este exame é muito útil no diagnóstico da endometriose e a adenomiose, doenças que são uma das principais causas de infertilidade atualmente e que podem ocorrer de maneira assintomática
  • Video-histeroscopia: Exame realizado através da introdução de uma pequena câmera na cavidade uterina para a avaliação da anatomia uterina, sendo possível identificar possíveis malformações uterinas, presenças de pólipos, miomas que se projetem para dentro de cavidade uterina e sinequias (aderências). Com este exame é possível também a realização de biópsia de endométrio se necessário avaliações adicionais
  • Cariótipo: exame de sangue que pode ser realizado em situações específicas para avaliação de possível causa genética para a infertilidade

 

 

  • Exames para Homens

 

  • Análise do Sêmen (Espermograma): Avalia a quantidade, motilidade (movimento) e morfologia (forma) dos espermatozoides. Um espermograma detalhado pode revelar se há problemas na produção ou função dos espermatozoides. Este exame é a base para identificar causas masculinas de infertilidade e guiar demais investigações e o tratamento adequado.
  • Pesquisa de Fragmentação do DNA Espermático: avaliação adicional que pode ser realizada no sêmen que avalia aspectos que não são considerados no espermograma tradicional. A avaliação da fragmentação do DNA espermático avalia a saúde do espermatozoide que pode estar alterada mesmo em situações com espermograma normal. Fatores relacionados ao estresse oxidativo podem levar a elevação nos níveis de fragmentação e podem impactar nas chances de gravidez e ter relação com aborto.
  • Exames Hormonais: Incluem testes de testosterona, FSH e LH para avaliar a função testicular. Desequilíbrios hormonais podem impactar negativamente a produção de espermatozoides e a função sexual.
  • Ultrassom Escrotal: Utilizado para identificar varicocele ou outras anomalias físicas nos testículos. Varicocele, uma dilatação das veias no escroto, é a principal causa de infertilidade masculina e pode ser corrigida cirurgicamente.
  • Exames genéticos: Os principais exames na investigação da infertilidade masculina são o cariótipo e a pesquisa de microdeleção do cromossomo Y (condição genética caracterizada pela perda de pequenos segmentos de DNA no cromossomo Y), exames estes que devem ser realizados em situações específicas da infertilidade masculina

 

 

Relógio Biológico Feminino

O relógio biológico feminino é um fator crucial na fertilidade. As mulheres nascem com um número finito de óvulos que diminuem em quantidade e qualidade com o tempo. Isso significa que a fertilidade feminina é significativamente afetada pela idade.

Com o avanço da idade, os óvulos não apenas diminuem em quantidade, mas também em qualidade. Isso se traduz em um aumento na taxa de aneuploidias (anomalias cromossômicas) e outras condições genéticas que podem levar a diminuição das chances de gravidez e abortos espontâneos. Esta diminuição na qualidade aumenta de maneira significativa principalmente após os 35 anos de idade, fazendo com que mulheres em idade reprodutiva avançada, enfrentem uma maior dificuldade para conceber naturalmente e apresentam maiores riscos de abortos e doenças genéticas. A diminuição na qualidade dos óvulos ocorre de maneira totalmente independente da reserva ovariana (estoque de óvulos que esta mulher ainda tem). A reserva ovariana está relacionada à entrada da mulher na menopausa que ocorre quando este estoque de óvulos se esgota e a mulher deixa de apresentar ciclos menstruais devido a não ocorrência mais de ovulação. 

 

Impacto da Idade da Mulher na Fertilidade

Chances de Gravidez e Idade

As chances de gravidez são maiores em mulheres mais jovens. Aos 30 anos, a chance de uma mulher engravidar naturalmente é de 20%. Aos 40 anos, a chance diminui para menos de 5%.1 Essa queda acentuada se deve à diminuição da qualidade dos óvulos, que diminui com a idade aumentando a probabilidade de aneuploidias (anomalias cromossômicas) que podem resultar em falhas na implantação do embrião dentro do útero ou abortos. As aneuploidias ocorrem devido a erros durante a divisão celular nos óvulos envelhecidos.

 

Taxa de Aborto e Perda Gestacional

A idade também influencia a taxa de aborto espontâneo. Em mulheres com menos de 35 anos, a taxa de aborto é de cerca de 10%. Entre 35 e 44 anos, essa taxa sobe para 18-34%, e para mulheres com 45 anos ou mais, a taxa é de aproximadamente 53%.2 As causas incluem a diminuição da qualidade dos óvulos e um aumento nas anomalias cromossômicas.

 

Seleção Genética e Idade

Com o aumento da idade, a incidência de aneuploidias (anormalidades no número de cromossomos) também aumenta. Isso pode resultar em falhas na implantação do embrião dentro do útero ou em abortos. Quando realiza-se tratamento de fertilização in vitro (FIV), é possível realizar avaliação genética do embrião através do teste genético pré-implantacional (PGT), que pode ajudar a identificar embriões com maiores chance de sucesso e excluir embriões que não levariam à gravidez, pois poderiam estar associados a abortos ou doenças genéticas.

 

Recomendações para Investigação Precoce

Por todos estes fatores relacionados ao relógio biológico feminino, a American Society of Reproductive Medicine (ASRM) recomenda que mulheres com 35 anos ou mais que não tenham conseguido engravidar após seis meses de tentativas devem iniciar uma investigação para infertilidade e não aguardar os 12 meses de tentativas que levariam à definição da infertilidade. Isso é devido ao impacto significativo que a idade tem na fertilidade feminina. Detectar e tratar possíveis problemas o mais cedo possível pode aumentar as chances de gravidez natural e chances de sucesso dos tratamentos de reprodução assistida caso venham a ser necessários.

 

  • Importância da Investigação Precoce
  • Identificação Rápida de Problemas: Iniciar a investigação precoce permite a identificação rápida de problemas potenciais que podem ser tratados antes que a fertilidade da mulher diminua ainda mais.
  • Planejamento do Tratamento: Um diagnóstico precoce possibilita um planejamento mais eficaz do tratamento, permitindo que os casais explorem todas as opções disponíveis com maior chance de sucesso.

 

Infertilidade Conjugal

Causas da Infertilidade

A infertilidade pode ter múltiplas causas, divididas em fatores femininos, masculinos ou misto (onde existe tanto um fator feminino quanto masculino afetando a fertilidade do casal). Importante destacar que alguns dos casos de infertilidade estão associados a fatores femininos isolados, outros a fatores masculinos isolados e outros a uma associação de fatores femininos e masculinos. Nos fatores femininos, destacam-se problemas ovulatórios, endometriose, obstruções tubárias e problemas uterinos. Nos fatores masculinos, incluem-se baixa contagem de espermatozoides, baixa motilidade e anomalias na morfologia dos espermatozoides.

 

  • Fatores Femininos
  • Problemas Ovulatórios: Distúrbios hormonais que afetam a ovulação, como Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP). Mulheres com SOP podem ter ciclos menstruais irregulares ou anovulatórios (sem ovulação), dificultando a concepção.
  • Endometriose: Crescimento do tecido endometrial fora do útero, causando inflamação e cicatrizes que podem afetar a fertilidade. A endometriose pode causar dor severa e pode ser diagnosticada através de exames de imagem como a ressonância nuclear magnética da região pélvica ou ultrassonografia com preparo para investigação da infertilidade. A endometriose nem sempre trará sintomas. Assim, o fato de uma mulher não ter queixas de dores não significa que ela não possa ter endometriose.
  • Alterações Tubárias: Obstrução nas trompas de Falópio (tubas uterinas) ou então alterações no funcionamento normal destas trompas que dificultam ou impedem o encontro do espermatozoide com o óvulo. Essas obstruções podem ser causadas por endometriose ou então como sequelas de infecções pélvicas, cirurgias anteriores ou infecções sexualmente transmissíveis.
  • Anomalias Uterinas: Malformações, miomas ou pólipos que podem dificultar a implantação do embrião ou mesmo estarem associadas a abortos. Problemas estruturais no útero podem ser diagnosticados através de exames de imagem como a ultrassonografia e ressonância ou então através da vídeo-hiseroscopia.

 

  • Fatores Masculinos
  • Baixa Contagem de Espermatozoides: Redução na quantidade de espermatozoides no sêmen. Isso pode ser devido a fatores genéticos, varicocele, infecções, exposição a toxinas e estilo de vida.
  • Baixa Motilidade: Capacidade reduzida dos espermatozoides de se moverem e alcançarem o óvulo. Problemas de motilidade podem ser causados por anomalias estruturais nos espermatozoides ou fatores ambientais.
  • Anomalias Morfológicas: Defeitos na forma dos espermatozoides que podem dificultar a fertilização. A morfologia anormal pode ser avaliada através de um espermograma detalhado. Por exemplo, pode ser avaliado o potencial do espermatozóide de conseguir penetrar espontaneamente um óvulo.
  • Infertilidade Sem Causa Aparente (ISCA): Quando todos os exames mostram resultados normais, mas a gravidez não ocorre temos a definição da infertilidade sem causa aparente. Ou seja, este casal não engravidou de maneira natural após 12 meses de tentativa natural (definição de infertilidade), porém os exames não conseguiram encontrar uma causa para esta infertilidade.

 

Referências

 

  1. American Society for Reproductive Medicine. 2012. Age and Fertility – A guide for patients. [Online] Available at: https://www.reproductivefacts.org/globalassets/_rf/news-and-publications/bookletsfact-sheets/english-pdf/Age_and_Fertility.pdf
  2. Gindoff and R. Jewelewicz. Reproductive potential in the older woman. Fertility and Sterility. 46:989;1986.

 

Sobre o Dr. Matheus Roque

CRM-SP:113154/RQE:106128

Médico Clínica Mater Prime – São Paulo

Co-fundador do Mater Lab – São Paulo

Fellowship em Reprodução Humana pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Mestre em Reprodução Humana pela Universidade Autônoma de Barcelona (Espanha)

Doutor em Saúde da Mulher pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

 

BR-NONF-00669/JUL/24

A impressão deste material foi possível graças ao apoio da Merck (entidade jurídica de Merck correspondente).

A revisão, opinião, comentários, interpretações e conclusões sobre este artigo são de exclusiva responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a posição oficial da MERCK.

Merck S.A. Estrada dos Bandeirantes, 1099, Jacarepaguá – Rio de Janeiro – RJ, CEP 22.710.571, Brasil

Tratamentos de Reprodução Assistida

Quais Tratamentos Existem?

Existem várias opções de tratamento para infertilidade. A escolha do tratamento depende da causa identificada e das características específicas de cada casal. Podemos dividir os tratamentos em Baixa e Alta Complexidade. Nos tratamentos de baixa complexidade a fertilização ocorrerá de maneira espontânea na tuba uterina da mulher. Nos tratamentos de alta complexidade, esta fertilização ocorrerá em laboratório.

Entre os tratamentos de baixa complexidade temos:

  • Indução da Ovulação:
  • São utilizados alguns medicamentos (hormônios) que levam ao desenvolvimento dos folículos, levando ao amadurecimento de 1 ou mais óvulos durante o ciclo, potencializando as chances de gravidez natural em determinas situações, principalmente em mulheres onde a ovulação não ocorre de maneira espontânea e apresentam irregularidade

 

  • Coito Programado:
  • O que difere este tratamento da indução exclusivamente é que no coito programado é realizado um monitoramento dos ovários através de ultrassonografias seriadas e também de exames hormonais se necessário. Os ultrassons e exames hormonais são utilizados para acompanhar o desenvolvimento dos folículos. Isso garante que os medicamentos (os mesmos que são utilizados para indução da ovulação) estejam funcionando corretamente e ajuda a evitar complicações como a Síndrome de Hiperestimulação Ovariana (quando muitos óvulos crescem de uma vez só, mas rara de acontecer nos tratamentos de baixa complexidade) e diminuir o risco de gestação múltipla.

 

  • Inseminação Intrauterina (IIU)
  • A IIU é frequentemente combinada com estimulação ovariana (uso de medicamentos) para aumentar as chances de sucesso, mas também pode ser feita apenas com o monitoramento dos ovários, ou seja, do ciclo menstrual natural, sem a necessidade de medicação.
  • Procedimento: Introdução de espermatozoides processados diretamente no útero, facilitando o encontro com o óvulo. Este procedimento é menos invasivo do que a Fertilização In Vitro (FIV) e pode ser uma opção para alguns casais. Porém apresenta menores chances de sucesso em relação à FIV.
  • Indicações: pode ser avaliado em casos de diminuição moderada na quantidade ou motilidade de espermatozoides, problemas cervicais (colo uterino), infertilidade por problemas ovulatórios e situações onde será utilizado banco de sêmen.

 

 

  • Fertilização In Vitro (FIV)

Enquanto em uma gestação natural ou nos tratamentos de baixa complexidade o encontro do espermatozoide com o óvulo ocorre na tuba uterina da mulher, na FIV este encontro ocorre dentro do laboratório de embriologia. Este encontro pode ocorrer através da FIV clássica ou da FIV pela técnica de injeção intracitoplasmática de espermatozoide (ICSI). Na FIV clássica, os óvulos e espermatozoides são colocados juntos em um ambiente de laboratório. A fertilização ocorre naturalmente, ou seja, o espermatozoide deve nadar até o óvulo e penetrá-lo. Já na ICSI, um único espermatozoide é injetado diretamente dentro de cada óvulo usando uma agulha muito fina. A ICSI é especialmente útil em casos de infertilidade masculina severa, principalmente nos casos de baixa contagem de espermatozoides, baixa motilidade ou anomalias morfológicas significativas, falha de fertilização em ciclos anteriores de FIV, e fatores masculinos ainda mais graves como a azoospermia (ausência de espermatozoides no sêmen).

 

Etapas: Estimulação ovariana, coleta de óvulos, fertilização em laboratório, cultivo de embriões e transferência para o útero e/ou congelamento embrionário. Cada etapa do processo é cuidadosamente monitorada para maximizar as chances de sucesso.

 

Indicações: Problemas tubários, endometriose severa, falha de outros tratamentos e infertilidade masculina severa. A FIV também é indicada para casais que necessitam de diagnóstico genético pré-implantacional (teste genético do embrião).

 

 

 

  • FIV através da Ovodoação / Ovorrecepção

Uma mulher pode gestar com qualquer idade, independente de ainda apresentar ciclos menstruais ou não. Onde a idade interfere em termos reprodutivos é na possibilidade desta mulher ainda ter óvulos que sejam aptos a produzir embriões que possam gerar uma gestação e trazer o bebê saudável para este casal.

Existem situações que a mulher já não tem mais óvulos a serem amadurecidos e utilizados nos tratamentos de FIV como ocorre na menopausa. Ou ainda, esta mulher pode apresentar uma quantidade muito reduzida de óvulos (baixa reserva ovariana) ou uma qualidade muito baixa dos óvulos que não leva a produção de embriões saudáveis. Nestas situações esta paciente pode gestar através de um tratamento de FIV com a utilização de óvulos doados anonimamente por uma doadora ou então por uma parente de até 4º grau. Este processo é o que chamamos de ovodoação ou ovorrecepção, no qual óvulos doados são fertilizados com sêmen do parceiro ou de um banco de sêmen para a formação dos embriões para posterior transferência para o útero materno.

Este é um processo que envolve importantes barreiras emocionais do casal, mas que em algumas situações torna-se uma excelente estratégia capaz de realizar o sonho da maternidade / paternidade.

 

 

Escalada da Reprodução (Funil da FIV)

Estimulação Ovariana

A primeira etapa da FIV envolve a estimulação ovariana, onde medicamentos (hormônios) são administrados para estimular os ovários a produzirem vários óvulos. Em um ciclo natural, a mulher produz apenas 1 óvulo por mês. Esta estimulação ocorre na maioria das vezes com o uso de medicações injetáveis por um período aproximado de 10 dias. Esta estimulação visa aproveitar todo o potencial que a paciente apresenta em cada ciclo menstrual, no qual de maneira natural ela amadureceria e ovularia 1 único óvulo e “desperdiçaria” diversos outros óvulos que poderiam ser amadurecidos, mas são descartados naturalmente todos os meses. Assim, durante a estimulação ovariana levamos ao desenvolvimento de diversos óvulos. Esta quantidade dependerá principalmente da reserva ovariana da paciente, assim como os protocolos de estimulação utilizados. A estimulação ovariana aumenta a quantidade disponível de óvulos para a FIV, quantidade esta que junto da qualidade genética dos óvulos (está relacionada à idade da mulher) são fundamentais para o sucesso de um tratamento de FIV.

 

  • Medicamentos Utilizados: Incluem hormônios como FSH e LH, administrados por injeções diárias. Esses hormônios imitam os mesmos que são produzidos pelo nosso próprio corpo. A dosagem é ajustada com base na resposta individual de cada paciente. Podem ser utilizados também indutores via oral, que levam à liberação dos hormônios FSH e LH pelo próprio corpo da mulher. Porém, a estimulação com os hormônios injetáveis leva a um melhor aproveitamento do estímulo ovariano.

 

  • Monitoramento: Ultrassons frequentes (normalmente 3-4 exames durante o período de estimulação ovariana) são realizados para monitorar o crescimento dos folículos e ajustar a dosagem dos medicamentos conforme necessário. Este monitoramento rigoroso ajuda a prevenir complicações e otimizar os resultados.

 

  • Complicações: A Síndrome de Hiperestimulação Ovariana é uma possível complicação que pode ocorrer quando os ovários respondem de maneira excessiva aos medicamentos, levando a uma produção hormonal excessiva pelo organismo da mulher. Esta complicação pode causar inchaço, dor abdominal e, em casos mais graves necessidade de aspiração de líquido (ascite) da região abdominal ou mesmo acúmulo de líquido na região do tórax próximo aos pulmões. Atualmente esta síndrome é muita rara de ocorrer.

 

Coleta de Óvulos

Quando os folículos atingem o tamanho ideal, uma injeção de hormônio hCG (gonadotrofina coriônica humana) e/ou de análogo agonista do GnRH é administrada para levar ao amadurecimento final dos óvulos. Esta última medicação é chamada de “trigger”. Cerca de 36 horas depois do trigger, a coleta de óvulos é realizada.  

  • Procedimento: Realizado sob sedação, um ultrassom transvaginal é usado para guiar uma agulha que aspira os óvulos dos folículos diretamente em cada um dos óvarios. Este procedimento é geralmente rápido e minimamente invasivo. A paciente normalmente permanece em média 3 horas na clínica de reprodução desde o momento da chegada para a realização do procedimento até a alta.
  • Recuperação: A maioria das mulheres sente apenas um desconforto leve após o procedimento e pode retomar suas atividades normais em um ou dois dias. Recomenda-se evitar atividades físicas intensas até a completa recuperação do quadro.

 

 

 

 

Fertilização e Cultivo de Embriões

Os óvulos coletados são fertilizados em laboratório com os espermatozoides do parceiro ou doador, ou podem ser congelados. De maneira simplista, o congelamento de óvulos é feito quando a mulher ainda não tem o parceiro ou doador de sêmen para formar um embrião.

Cultivo de Embriões: Os embriões são cultivados por até 5-7 dias para atingir o estágio de blastocisto. Este estágio é o qual o embrião chega ao útero da mulher para que ocorra a implantação em uma gestação natural. Durante um tratamento de FIV, neste momento o embrião pode ser transferido para o útero da mulher, pode ser congelado ou então biopsiado (retiradas algumas células para a realização do teste genético pré-implantacional) para posterior transferência ao útero. 

 

Transferência de Embriões

Um ou mais embriões são selecionados para transferência ao útero. A transferência embrionária pode ser realizada durante o mesmo ciclo de estimulação e coleta de óvulos, o que chamamos de transferência embrionária a fresco. Ou seja, alguns dias depois de coletar os óvulos, a transferência é feita. Ou então, os embriões são congelados e a mulher deve passar por um novo ciclo, dessa vez com preparo do endométrio (revestimento do útero) para receber o embrião que será descongelado.

  • Procedimento: Um cateter fino é usado para acessar a cavidade uterina através da região vaginal e colo do útero, para que o embrião possa ser depositado diretamente dentro da cavidade uterina. Este procedimento é geralmente indolor e realizado sem necessidade de sedação.
  • Número de Embriões a ser transferido: Decisão baseada na idade da mulher, qualidade dos embriões e histórico médico. Transferência de múltiplos embriões aumenta os riscos de gravidez múltipla (gêmeos). Uma tendência atual em todo o mundo é a realização da transferência de um único embrião para o útero da mulher, evitando-se ou pelo menos minimizando o risco de gestação múltipla.
  • Teste de Gravidez: após a transferência, um teste de gravidez é realizado para determinar o sucesso do ciclo (cerca de 9 a 12 dias depois da transferência). Durante este período, recomenda-se que a mulher evite atividades físicas intensas e relações sexuais.

 

 

Conclusão

Enfrentar a infertilidade pode ser uma jornada difícil e emocionalmente desgastante. No entanto, com a orientação adequada e os tratamentos de reprodução assistida, muitos casais conseguem superar esses desafios e alcançar a tão sonhada gravidez e o bebê em casa. É essencial procurar ajuda médica especializada para receber um diagnóstico preciso e explorar as opções de tratamento mais adequadas. E quando um tratamento for necessário, que ele possa ser realizado desde o princípio com todos os cuidados necessários e investigando-se de todos os fatores que possam estar relacionados às chances de implantação e também aos fatores relacionados ao risco de aborto.

 

 

 

Sobre o Dr. Matheus Roque

CRM-SP:113154/RQE:106128

Médico Clínica Mater Prime – São Paulo

Co-fundador do Mater Lab – São Paulo

Fellowship em Reprodução Humana pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

Mestre em Reprodução Humana pela Universidade Autônoma de Barcelona (Espanha)

Doutor em Saúde da Mulher pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

 

BR-NONF-00669/JUL/24

A impressão deste material foi possível graças ao apoio da Merck (entidade jurídica de Merck correspondente).

A revisão, opinião, comentários, interpretações e conclusões sobre este artigo são de exclusiva responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a posição oficial da MERCK.

Merck S.A. Estrada dos Bandeirantes, 1099, Jacarepaguá – Rio de Janeiro – RJ, CEP 22.710.571, Brasil